Arquivo mensal: agosto 2017

10 motivos para combater o socialismo

Além de 10 motivos no vídeo, a fim de não deixar qualquer dúvida, tem-se abaixo uma lista com 13 partidos socialistas que um católico NÃO pode votar ou apoiar, e 10 frases de papas condenando o marxismo:

Partido dos Trabalhadores (PT)
Partido Comunista Brasileiro (PCB)
Partido Socialismo e Liberdade (PSOL)
Partido Popular Socialista (PPS), sucessor do PCB
Partido Comunista do Brasil (PCdoB)
Partido da Causa Operária (PCO)
Partido Democrático Trabalhista (PDT)
Partido da Mobilização Nacional (PMN)
Partido Pátria Livre (PPL)
Partido Socialista Brasileiro (PSB)
Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU)
Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB)
Partido Verde (PV)

Papas condenando o socialismo:

“Assim, substituindo a providência paterna pela providência do Estado, os socialistas vão contra a justiça natural e quebram os laços da família.” (Papa Leão XIII, Rerum Novarum)

“”Se [Cristo] chamou junto de si, para os consolar, os aflitos e os sofredores, não foi para lhes pregar o anseio de uma igualdade quimérica”.(Pio X, Notre Charge Apostolique n. 38).

“Como esta doutrina rejeita e repudia todo o caráter sagrado da vida humana, segue-se por natural conseqüência que para ela o matrimônio e a família é apenas uma instituição civil e artificial, fruto de um determinado sistema econômico” (Papa Pio XI, Divini Redemptoris)

“Socialismo religioso, socialismo católico são termos contraditórios: ninguém pode ser ao mesmo tempo bom católico e verdadeiro socialista.” (Papa Pio XI, Quadragesimo Anno)

“Pois bem, os irmãos não nascem nem permanecem todos iguais: uns são fortes, outros débeis; uns inteligentes, outros incapazes; talvez algum seja anormal, e também pode acontecer que se torne indigno. É pois inevitável uma certa desigualdade material, intelectual, moral, numa mesma família (…) Pretender a igualdade absoluta de todos seria o mesmo que pretender idênticas funções a membros diversos do mesmo organismo” (Papa Pio XII, Discurso de 4/4/1953 a católicos de paróquias de S. Marciano)

“Deus não faz distinção de pessoas, pois todos os homens têm a mesma dignidade de criaturas à Sua imagem e semelhança. A Encarnação do Filho de Deus manifesta a igualdade de todas as pessoas QUANTO À DIGNIDADE: «Já não há judeu nem grego, nem escravo nem livre, nem homem nem mulher, pois todos vós sois um em Cristo Jesus» (Compendio da doutrina social da Igreja, 144).

“Entre comunismo e cristianismo, o pontífice [Papa Pio XI] declara novamente que a oposição é radical, e acrescenta não se poder admitir de maneira alguma que os católicos adiram ao socialismo moderado: quer porque ele foi construído sobre uma concepção da vida fechada no temporal, com o bem-estar como objetivo supremo da sociedade; quer porque fomenta uma organização social da vida comum tendo a produção como fim único, não sem grave prejuízo da liberdade humana; quer ainda porque lhe falta todo o princípio de verdadeira autoridade social.”
(Papa João XII, Encíclica Mater et Magistra, 15 de Maio de 1961, 34)

“Muito freqüentemente, os cristãos atraídos pelo socialismo têm tendência para o idealizar, em termos muito genéricos, aliás: desejo de justiça, de solidariedade e de igualdade. Eles recusam-se a reconhecer as pressões dos movimentos históricos socialistas, que permanecem condicionados pelas suas ideologias de origem.” (Papa Paulo VI, Carta Apostólica Octogesima Adveniens)

“O erro fundamental do socialismo é de caráter antropológico. De fato, ele considera cada homem simplesmente como um elemento e uma molécula do organismo social. […] O homem é reduzido a uma série de relações sociais, e desaparece o conceito de pessoa como sujeito autônomo de decisão moral”” (Papa João Paulo II, Centesimus Annus)

“Lembremos que o ateísmo é a negação da pessoa humana, de sua liberdade e de seus direitos encontram-se no centro da concepção marxista. Esta contém de fato erros que ameaçam diretamente as verdades de fé sobre o destino eterno das pessoas.” (Bento XVI, Libertatis Nuntius)

“Nunca compartilhei a ideologia marxista, porque ela é falsa.” (Papa Francisco, entrevista publicada pelos jornais La Nación e Corrriere della Sera)

Anúncios

Padre revela a verdade sobre a Igreja Católica e o papa

Vídeo bastante antigo do falecido Padre espanhol Jorge Loring, que aborda a verdade da fé católica diante das seitas protestantes, sem nenhum medo da patrulha do politicamente correto. Apesar do papa da época ser São João Paulo II, é evidente que todo o conteúdo se aplica ao nosso papa atual, o Papa Francisco.

É fácil perceber que o conteúdo desse vídeo soa intolerante aos ouvidos do homem moderno, porém é triste ver que muitos católicos se escandalizam quando são expostos a essas verdades simples e muito óbvias da nossa fé católica. Provavelmente isso ocorre porque são poucos os padres que possuem a mesma coragem do padre Jorge Loring, enquanto a maior parte dos inimigos da Igreja Católica dizem o oposto por ai sem receio algum.

O padre Jorge Loring inicia o vídeo citando uma descoberta arqueológica de algumas décadas atrás, que encontrou os ossos de São Pedro, no vaticano. As relíquias de São Pedro são um dos maiores tesouros da nossa fé. Conheça essa história incrível através desse pequeno vídeo: https://goo.gl/AErD4S

Caso queira aprofundar um pouco mais, veja também o estudo feito pelo blog “O fiel católico”: https://goo.gl/SKg8BP e https://goo.gl/5JiQmM.

O padre Jorge Loring diz em determinado momento que são mais de “400 seitas protestantes”. Não sei se ele disse isso ao pé da letra ou se referia apenas as seitas propriamente ditas, porém é evidente (basta olhar ao nosso redor) que a divisão no protestantismo é IMENSAMENTE maior do que isso.

Outro ponto importante é abordado no final do vídeo, quando o padre deixa claro que a verdadeira Igreja Católica é conhecida através do testemunho de vida dado pelos santos, e não pelo mal exemplo dos católicos que vivem de maneira errada a fé. Jorge Loring também diz que, apesar do protestantismo ser falso, não é errado admitir que existem pessoas honestas e muito boas dentro dele.

Por que a bíblia protestante é menor?

Tradução do original: “Ready Reasons – Why Are Protestant Bibles Smaller?” Autor: Trent Horn, do Catholic Answers. Disponível aqui: https://goo.gl/P5rnH4

“No século XVI, os protestantes afastaram-se do Magistério, renegando-o. Sob a alegação de que a Igreja Católica havia se corrompido, empreenderam um grande esforço arqueológico para recuperar a chamada Igreja “primitiva”. Nesse movimento, descobriram que o povo judeu possuía uma lista diferente de livros sagrados, com 39 livros – ou seja, 7 livros a menos que o cânon católico. Daí para concluírem que a Igreja Católica acrescentou os outros livros foi questão de tempo.

Jesus deu uma ordem aos Apóstolos: “ide pelo mundo e evangelizai”. Ora, o mundo daquela época falava o grego, que era o equivalente ao inglês de hoje. Assim, os Apóstolos começaram a pregar o Evangelho em grego. Mas como se dava isto, se a Bíblia estava em hebraico? Os Apóstolos passaram a utilizar uma tradução da Bíblia do hebraico para o grego denominada Septuaginta, que havia sido elaborada em Alexandria antes de Cristo.

Ocorre que na Tradução dos Setenta, como também é conhecida, estão contidos aqueles sete livros. Ora, qualquer biblista sério é capaz de perceber que em diversas citações do Antigo Testamento encontradas no Novo, a tradução utilizada é a da Septuaginta. Este era o livro utilizado pelos Apóstolos e foi este, portanto, que a Igreja Católica adotou.

É verdade que houve um conflito entre os cristãos e os judeus, pois estes perceberam que os Apóstolos estavam pregando o Evangelho de forma diferente e, por isso, expulsaram-nos das sinagogas. Esse fato também motivou os judeus a fecharem o cânon dos livros sagrados: eles decidiram pela exclusão definitiva daqueles sete livros que constavam na Septuaginta.

Isto, porém, só aconteceu no final do século I, ou seja, um século após a vinda de Jesus. Desta forma, os protestantes, ao aceitarem o cânon da bíblia judaica, estão desprezando a autoridade dada pelo próprio Jesus aos apóstolos e aceitando a definição dos rabinos judeus mesmo depois de Cristo.

Muito se poderia argumentar ainda nesse sentido, contudo, para os católicos basta saber que quem define o cânon das Escrituras é a Igreja. É importante lembrar também que foi esta mesma Igreja quem definiu os outros 27 livros do Novo Testamento, sobre os quais não há discussão. Portanto, uma pergunta que não pode deixar de ser feita é: por que os protestantes aceitam a autoridade da Igreja Católica que definiu os 27 livros do Novo Testamento e não aceitam a autoridade dessa mesma Igreja quanto aos 46 livros do Antigo Testamento?” [1]

QUER SABER MAIS? ACESSE A FONTE DO TEXTO:

[1] Qual é a diferença entre as bíblias católica e protestante?
https://padrepauloricardo.org/episodios/qual-e-a-diferenca-entre-a-biblia-catolica-e-a-biblia-protestante

 

Apostolado Courage: Homossexualidade e fé católica

O Courage é um apostolado internacional da Igreja Católica, recomendado pelo Pontifício Conselho para a Família, constituído por sacerdotes e leigos e que atua nos EUA, no Brasil e em outros diversos países ao redor do mundo ajudando e servindo às pessoas que têm atração pelo mesmo sexo a viverem casta e dignamente sua condição de filhos e filhas de Deus. O Apostolado nasceu da preocupação de Monsenhor Terence Cooke com aquelas pessoas que sofrem sozinhas com suas atrações pelo mesmo sexo. Como cardeal de Nova Iorque, ele estava ciente do sofrimento daquelas pessoas e temia que, sem o amparo formal da Santa Igreja, elas seguissem o estilo de vida gay propagado pela mídia e pelo ativismo político e, assim, que acabassem abandonando a fé. É preciso frisar que o Apostolado Coragem não é um programa de reorientação sexual. [1]
 
O Courage fornece atendimento presencial e virtual, sem contar que preserva o anonimato daqueles que pedem ajuda.
 
Podemos ver nesse outro vídeo produzido pelo próprio Courage (Assista aqui, ativando as legendas em português, no canto inferior direito, clicando em “cc”: https://goo.gl/9kosJk), o testemunho de três homossexuais que abandonaram a vida sugerida pelo movimento gay e pela mídia, e começaram a viver de maneira digna e casta, mostrando que a castidade é algo extremamente belo, que ajuda na busca pela santidade, busca essa que todos os cristãos devem fazer.
 
Esse vídeo surge justamente para demonstrar qual é a verdadeira posição da Igreja a respeito desse assunto. Recentemente, um bispo gerou escândalo ao declarar que o “homossexualismo é dom dado por Deus” (https://goo.gl/T37Hcg), sem contar que vemos proliferar as chamadas “pastorais da diversidade sexual” (https://goo.gl/AYU7Ps) que estão aderindo a doutrinas marxistas, que se opõe ao ensinamento do Magistério da Igreja.
 
SUPLICAMOS que você COMPARTILHE E DIVULGUE O VÍDEO, pois os inimigos da Igreja dilvulgam ensinamentos opostos o tempo todo, inclusive dentro da Igreja. Também pedimos que envie ou marque nos comentários seu bispo ou pároco, sugerindo que ele entre em contato com o http://www.couragebrasil.com/, por meio do email contato@couragebrasil.com ou da própria página no facebook https://www.facebook.com/brasil.courage/. Talvez eles possam querer levar o Courage pra sua diocese ou paróquia. Muitos membros do clero, infelizmente, DESCONHECEM A EXISTÊNCIA DO COURAGE.
 
ACESSE A FONTE DO TEXTO:
 

Pedro é a rocha sobre a qual Jesus edificou sua Igreja?

Nesse vídeo traduzido do original “Is St. Peter the Rock on which Jesus built his Church?” disponível aqui: https://goo.gl/CJSZKw o o ex protestante Jimmy Akin nos da alguns argumentos sobre a correta interpretação de uma das passagens mais polêmicas da bíblia, encontrada em Mt 16, 18, onde Jesus diz para Pedro: “E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja.”

Jimmy Akin explica a fraqueza do argumento protestante de que a tradução no grego de “Pedro” e “rocha” possuem significados diferentes e que, por isso, Jesus estaria desprezando Pedro. Prosseguindo, mostra que não é necessário saber grego ou aramaico para entender essa passagem, mas que basta apenas o conhecimento a respeito de uma característica estrutural presente no texto em Mt 16, 18, que indica Pedro como a rocha.

“Uma das contendas que mais divide os Católicos dos Ortodoxos e dos evangélicos é a primazia do Bispo de Roma sobre todos os demais bispos do mundo. Em outras palavras, a questão da autoridade continua sendo hoje causa de divisão para os cristãos.

De fato, a experiência no trato com conversos ao catolicismo demonstra que, uma vez aceitada a autoridade de Roma, todas as demais divergências doutrinais são superadas com maior facilidade, como podem ser os sacramentos, Maria, os Santos, etc.” [1]

Você pode aprofundar mais esse assunto visitando os seguintes sites:

[1] http://www.veritatis.com.br/o-fundamento-biblico-da-primazia-de-pedro/

[2] http://www.ofielcatolico.com.br/2001/01/a-pedra-sobre-qual-se-fundamenta-igreja.html

[3] http://www.ofielcatolico.com.br/2002/03/analises-do-nome-de-s-pedro-apostolo-e.html