Arquivo da categoria: Relativismo religioso

Para ser salvo basta ser “bonzinho” e não fazer “mal” a ninguém?

No mundo em que vivemos é comum encontrar pessoas com a crença de que só serão condenadas ao inferno aqueles que fizerem coisas “terrivelmente graves”. Porém, uma rápida leitura dos evangelhos já demonstra que essa mentalidade é totalmente contrária aos ensinamentos de nosso Senhor Jesus Cristo, até porque Ele foi a figura que mais falou sobre os perigos que corremos de sermos condenados eternamente. Não é mera coincidência que ele também seja a pessoa que mais nos amou… (e ama). É justamente esse o assunto que o Padre Mike Schmitz aborda nesse vídeo.

“Alguém lhe perguntou: “Se­nhor, são poucos os homens que se salvam?” Ele respondeu: “Procurai entrar pela porta estreita; porque, digo-vos, muitos procurarão entrar e não o conseguirão. (São Lucas 13, 23)

Anúncios

Todas as religiões são iguais e verdadeiras? Saiba como responder os relativistas

Tim Staples mostra nesse vídeo o quanto é contraditória essa afirmação e nos ensina como tentar tirar o relativista desse maldito erro. Afinal, se duas afirmações se contradizem, ou uma delas está certa e a outra errada ou ambas estão erradas. Esse princípio é conhecido na Lógica com o da não-contradição.

Cardeal Arinze: Pessoas em pecado grave não podem comungar

Nesse vídeo, traduzido do original “Life Site News: Cardinal Arinze – persons blinded by evil cannot receive Communion. Disponível aqui: https://goo.gl/5Gi4EC), o Cardeal Arinze nos diz porque pessoas em estado de pecado mortal não podem se aproximar da Santa Comunhão.

“Por isso o Apóstolo já advertia à comunidade de Corinto que se examinasse antes de aproximar-se da Eucaristia, pois “quem comer o pão ou beber do cálice do Senhor indignamente será réu do corpo e do sangue do Senhor” (1 Cor 11, 27). Na mesma linha, São João Crisóstomo levantava a sua voz, pedindo aos fiéis que não se abeirassem “desta Mesa sagrada com uma consciência manchada e corrompida”: “De fato, uma tal aproximação nunca poderá chamar-se comunhão, ainda que toquemos mil vezes o corpo do Senhor, mas condenação, tormento e redobrados castigos”. O Concílio de Trento corroborou este costume da Igreja, afirmando que “é preciso um exame para que ninguém, por mais contrito que ele considere, se aproxime da sagrada Eucaristia sem antes confessar sacramentalmente, caso esteja consciente de algum pecado mortal”. [1]

Para evitar esse terrível sacrilégio, faça um bom exame de consciência e, se necessário, busque o sacramento da penitência na sua paróquia. Para isso, use esse guia aqui: https://missatridentinaembrasilia.files.wordpress.com/2013/09/exame-de-conscic3aancia-rev.pdf

Fonte do texto:

[1] A Eucaristia é remédio para quem está em pecado mortal? https://padrepauloricardo.org/blog/a-eucaristia-e-remedio-para-quem-esta-em-pecado-mortal

Patrick Madrid: Contradições da Sola Scriptura

Muitos comemoram hoje (31/10/2017) o triste dia em que Lutero deu início a revolução protestante, que dividiu o Cristianismo e lançou milhares de almas no erro. Os danos são incalculáveis… Imagine, por exemplo, a quantidade de pessoas que enfrentam a hora da morte nesse momento e que, após terem vivido uma vida inteira afastadas da Igreja Católica, ainda não terão acesso aos sacramentos… Isso é muito triste e, por isso, pedimos que você intensifique as orações no dia de hoje pela conversão dos protestantes, pedindo a Deus, através da intercessão da Santíssima Virgem Maria, que muitos deles enxerguem o erro e voltem para a Igreja de Cristo.

O erro mais gritante do protestantismo surge da ideia de que a bíblia, em si mesma, é auto suficiente no que diz respeito as questões relacionadas a doutrina e prática cristã. Essa mentalidade, que surgiu somente na época da revolução protestante, diz que tudo precisa ser provado através da bíblia.

Porém, se alguém disser que só acredita nos ensinamentos que estão na bíblia, para que essa declaração seja consistente e coerente, ela em si mesma precisa ser demostrada e ensinada pelas próprias páginas da bíblia. O problema é que essa doutrina que “sustenta” basicamente todo o protestantismo, chamada de “Sola Scriptura”, não é ensinada explícita ou implicitamente em NENHUM lugar da bíblia. Sim, a bíblia não ensina isso em nenhum lugar!

Patrick Madrid, famoso apologista católico dos EUA, apresenta mais alguns argumentos contrários a essa doutrina e ensina o modo correto de agir diante dessa armadilha protestante, que infelizmente engana muitas pessoas.

“A fé católica está baseada na Bíblia, é lógico! Contudo, apoia-se também na tradição e no magistério dirigido de modo infalível pela cátedra de Pedro. A tradição consiste em tudo o que a Igreja viveu e aprendeu sob a luz do Espírito Santo nesses dois mil anos de vida. O sagrado magistério é todo imprescindível ensinamento acumulado durante os séculos e oficializado pelo Papa. A tradição e o magistério da Igreja garantem a interpretação autêntica da revelação bíblica e constituem a fonte da riquíssima vida litúrgica da Igreja, através da qual prestamos ao Senhor toda a honra, glória e louvor.” [1]

Para mais vídeos, acesse: https://otradutorcatolico.wordpress.com/

Fonte do texto:

[1] https://goo.gl/Xm2KoT
[2] Vídeo traduzido do original “Patrick Madrid: Sola Scriptura” Disponível aqui https://goo.gl/f3XhrL

Ditadura do Relativismo – Joseph Ratzinger

“Ter uma fé clara, segundo o Credo da Igreja, muitas vezes é classificado como fundamentalismo. Enquanto o relativismo, isto é, deixar-se levar “aqui e além por qualquer vento de doutrina”, aparece como a única atitude à altura dos tempos atuais. Vai-se constituindo uma ditadura do relativismo que nada reconhece como definitivo e que deixa como última medida apenas o próprio eu e as suas vontades.” (Joseph Ratzinger, futuro Bento XVI)

Padre revela a verdade sobre a Igreja Católica e o papa

Vídeo bastante antigo do falecido Padre espanhol Jorge Loring, que aborda a verdade da fé católica diante das seitas protestantes, sem nenhum medo da patrulha do politicamente correto. Apesar do papa da época ser São João Paulo II, é evidente que todo o conteúdo se aplica ao nosso papa atual, o Papa Francisco.

É fácil perceber que o conteúdo desse vídeo soa intolerante aos ouvidos do homem moderno, porém é triste ver que muitos católicos se escandalizam quando são expostos a essas verdades simples e muito óbvias da nossa fé católica. Provavelmente isso ocorre porque são poucos os padres que possuem a mesma coragem do padre Jorge Loring, enquanto a maior parte dos inimigos da Igreja Católica dizem o oposto por ai sem receio algum.

O padre Jorge Loring inicia o vídeo citando uma descoberta arqueológica de algumas décadas atrás, que encontrou os ossos de São Pedro, no vaticano. As relíquias de São Pedro são um dos maiores tesouros da nossa fé. Conheça essa história incrível através desse pequeno vídeo: https://goo.gl/AErD4S

Caso queira aprofundar um pouco mais, veja também o estudo feito pelo blog “O fiel católico”: https://goo.gl/SKg8BP e https://goo.gl/5JiQmM.

O padre Jorge Loring diz em determinado momento que são mais de “400 seitas protestantes”. Não sei se ele disse isso ao pé da letra ou se referia apenas as seitas propriamente ditas, porém é evidente (basta olhar ao nosso redor) que a divisão no protestantismo é IMENSAMENTE maior do que isso.

Outro ponto importante é abordado no final do vídeo, quando o padre deixa claro que a verdadeira Igreja Católica é conhecida através do testemunho de vida dado pelos santos, e não pelo mal exemplo dos católicos que vivem de maneira errada a fé. Jorge Loring também diz que, apesar do protestantismo ser falso, não é errado admitir que existem pessoas honestas e muito boas dentro dele.

Igrejas feias fazem mal pra alma

Tradução do original: Brian Holdsworth – Make Church Architecture Great Again https://www.youtube.com/watch?v=FkCe-ndPRR8

Assim como acontece com a Verdade, a Beleza também não é relativa ao indivíduo. Existem coisas que são bonitas e coisas que são feias. Além disso, existem estudos e testemunhos de conversões que compravam a eficácia da arte sacra na evangelização. Isso pode ser comprovado aqui https://goo.gl/e9NQ77 e aqui https://goo.gl/mm64CU

“Em qualquer época entre 1750 e 1930, se você pedisse às pessoas cultas para descrever o objetivo da poesia, da arte ou da música, elas teriam respondido: a Beleza. E se você perguntasse pela razão disso, você aprenderia que a Beleza é um valor, tão importante quanto a Verdade e o Bem. Depois, no século XX, a beleza deixou de ser importante. A arte, cada vez mais, concentrou-se em perturbar e em quebrar tabus morais. Não era a beleza, mas a originalidade, conseguida por qualquer meio e a qualquer custo moral, que ganhava os prêmios. Não apenas a arte fez um culto à feiura; a arquitetura também se tornou desalmada e estéril. E não foi somente o nosso ambiente físico que se tornou feio. Nossa linguagem, nossa música e nossas maneiras estão cada vez mais rudes, egoístas e ofensivas; como se a beleza e o bom gosto não tivessem nenhum lugar real em nossas vidas.” [1]

Uma das maiores vítimas desse pensamento relativista foram as construções de igrejas. Nesse vídeo, Brian Holdsworth explica porque nós devemos voltar às nossas tradições católicas e abandonar o modernismo na arquitetura.

Fonte do texto:

[1] Por que a beleza importa? https://ipco.org.br/ipco/53582-2/#.WWVEtBXyuig

 

VIVA A BATINA!!! (Documentário legendado em português)

“Viva a batina!” é um documentário que visa ser um sincero tributo a batina. Uma homenagem emocionante a todos os sacerdotes que usam fielmente a batina em tempos difíceis e injustos. É um estímulo para todos aqueles que a usam, um convite para aqueles que desejamos que usem e um testemunho da verdade do Magistério da Igreja com relação ao uso do hábito eclesiástico.

Os símbolos estão por todos os lugares, e um dos que mais produzem efeito, são os uniformes. Um policial ou um guarda de trânsito não precisam estar prendendo ou multando, apenas a sua presença já influencia as pessoas que estão ao seu redor.
Os confortam, dão segurança… ou o contrário, deixando as pessoas preocupadas ou inquietas. Uma batina sempre gera algum efeito. Seu sentido sobrenatural não exige pregações ou que seja dito algo. Ela encoraja aqueles que estão na graça de Deus, alertam aqueles que não estão e para aqueles que estão afastados de Deus, produz arrependimento.

Vivemos numa cultura totalmente secularizada e, assim, mais do que nunca, são necessários sinais no mundo que simbolizem o céu e a presença de Deus entre nós, e esses pequenos sinais tem muito mais significado hoje do que no passado. Afinal, no mundo de hoje já não existem sinais de sacralidade e o próprio mundo se dirige a um caminho secular, praticamente todo ateísta. O sacerdócio deve ser visível. A batina faz com que o sacerdote seja visível. Quantos por aí, que estão afastados da Igreja e da fé, ao verem a batina do padre ou o hábito do religioso e religiosa, não recordam a presença da Igreja?

A batina é um testemunho silencioso e constante da presença da Igreja no mundo. O que aconteceria se todos os padres, seminaristas, noviços e noviças, religiosos ou religiosas
usassem sua batina e o hábito religioso? A resposta é que em todos os lugares e em todos os momentos, a Igreja seria visível e estaria presente na sociedade. Que grande e eficaz método de evangelização, que ocorre apenas com o sinal externo do hábito, sem palavras ou ações!

A batina é moderna e atual, assim como é moderna e atual a mensagem que ela transmite sobre Cristo e a Cruz de Cristo.”

Relativismo e suas consequências

Você já tentou persuadir alguém de que existe uma verdade ou de que a fé católica é a única verdadeira e essa pessoa respondeu: “Bem, não existe verdade” ou “Pode ser verdade para você, mas não é para mim”? É uma experiência frustrante. Esse modo de pensar, chamado de relativismo, pode impedir qualquer tipo de diálogo racional. O apologista católico Karlo Broussard aborda o relativismo do mundo atual neste vídeo!

Papa Bento XVI também analisou esse fenômeno relativista, dizendo que “ter uma fé clara, segundo o Credo da Igreja, muitas vezes é classificado como fundamentalismo. Enquanto o relativismo, isto é, deixar-se levar “aqui e além por qualquer vento de doutrina”, aparece como a única atitude à altura dos tempos hodiernos. Vai-se constituindo uma ditadura do relativismo que nada reconhece como definitivo e que deixa como última medida apenas o próprio eu e as suas vontades.” [1]

Referências

[1] http://www.vatican.va/gpII/documents/homily-pro-eligendo-pontifice_20050418_po.html